Evil Twin e Mikkeller: a rivalidade de dois irmãos cervejeiros

26/07/2016 - Cervejarias, Curiosidades

3.967 visualizações

Evil Twin e Mikkeller: a rivalidade de dois irmãos cervejeiros

Clube do Malte
Beba menos, beba melhor!

Você já se perguntou o motivo do nome da cervejaria Evil Twin? A cervejaria tem algumas coisas em comum com a Mikkeller: é uma das mais reconhecidas artesanais do mundo, trabalha com o conceito de cervejaria cigana e conquistou cervejeiros e chefs com seus rótulos inovadores.

Evil-Twin-MikellerMas a história não para por aí. Seu proprietário, Jeppe Jarnit-Bjergsø, é irmão gêmeo de Mikkel Borg, da cervejaria Mikkeller. Jeppe começou a fazer cervejas quatro anos após Mikkel e, em um ato claro de provocação, batizou sua cervejaria de Evil Twin, ou “gêmeo malvado”.

Reza a lenda que a relação dos dois é cheia de conflitos. Há mais de um ano sem conversar, os gêmeos têm personalidades opostas e não são fãs de relações muito diplomáticas, o que supostamente aqueceria a disputa na criação das cervejas.

Um dos capítulos mais memoráveis dessa história foi quando Jeppe mudou-se para os Estados Unidos. Thomas Schon, o primeiro funcionário da Mikkeller, declarou: “Foi um grande alívio quando Jeppe se mudou para o Brooklyn. Era como se a Dinamarca não fosse grande o bastante para esses dois”.

A cervejaria Mikkeller

Uma cervejaria com 12 anos de estrada e nada de “tradição cervejeira”, da forma como vemos por aí. A palavra-chave da Mikkeller é inovação. A marca dinamarquesa segue o conceito de cervejaria cigana, ou seja: ela não conta com uma sede própria, mas aproveita a estrutura de outras cervejarias para produzir seus rótulos.

MikellerMesmo que o conceito de cervejaria cigana não seja novidade para você, o método escolhido por Mikkel Borg não é comum. O cervejeiro não tem qualquer envolvimento com o processo de fabricação. Ele cria suas receitas e envia instruções detalhadas aos fabricantes, mas seu primeiro contato com o produto final é quando recebe as garrafas já envasadas e prontas para serem comercializadas.

Em entrevista recente ao The New York Times, ele declarou: “Eu não gosto de fazer cerveja. Gosto de inventar receitas e curtir o resultado”. O processo, conhecido como “phantom brewing”, em uma referência à fabricação “fantasma” da cerveja, têm dado muito certo para a Mikkeller.

Ela é considerada a melhor cervejaria da Dinamarca e a terceira melhor cervejaria artesanal do mundo aos olhos do público, de acordo com o ranking do Rate Beer. O reconhecimento não vem apenas dos especialistas em cerveja artesanal: a Mikkeller passou a ser destaque no menu de restaurantes com estrelas no guia francês Michelin, como o Noma, em Copenhague e o El Celler de Can Roca, em Girona, Espanha.

Por transitar em meios específicos, a Mikkeller é capaz de trazer uma enorme variedade de rótulos inovadores, sem a preocupação de agradar aos gostos mais populares. Enquanto uma cervejaria comum chega a lançar 20 rótulos ao ano, Mikkel ultrapassa a marca de 100 cervejas anuais.

Somente no ano de 2013, foram 124 rótulos enviados ao mercado.

Deixe uma resposta