As 10 cervejas brasileiras mais bem avaliadas no Ratebeer

07/07/2016 - Curiosidades

8.104 visualizações

As 10 cervejas brasileiras mais bem avaliadas no Ratebeer

Vinicius Stanula
SEO, tomador de bera e aprendiz da arte suave nas horas vagas

Desde maio de 2000, o Ratebeer é considerado o melhor e mais visitado site de avaliações de cervejas do mundo. Com uma comunidade engajada e membros de mais de 100 países, o site reúne as mais variadas informações e avaliações de cervejas do mundo todo. A missão é de oferecer reviews independentes de cervejas artesanais, feitos pelos próprios consumidores, longe das palavras das cervejarias. E podemos garantir, que em geral os reviews e as notas falam a verdade.

Graças ao bom trabalho do site, nós podemos conferir rankings por país, cervejaria, estilo e muitos outros. Hoje, trouxemos as 10 cervejas brasileiras mais bem avaliadas pelo Ratebeer.

As 10 mais bem avaliadas no Ratebeer

tupiniquim-anunciacao-ipa#10 – Tupiniquim Anunciação IPA – A 10ª posição da nossa lista, uma IPA que apesar do amargor tem alta drinkability. A Tupiniquim Anuncianção IPA tem 6,6% de teor alcoólico, com um equilíbrio incrível entre amargor e lúpulos frutados. No aroma logo se percebe as notas cítricas e herbais, enquanto o sabor segue na mesma linha, junto do amargor clássico das IPAs. Conseguiu nota geral 94 no Ratebeer, com uma nota 92 dentro do seu estilo.

wals-trippel#09 – Wals Trippel – Direto de Minas Gerais, esta cerveja ostenta a 9ª posição da nossa lista. Uma cerveja rolhada, produzida com muito rigor e qualidade, com os melhores maltes e leveduras, a Wäls Trippel possui uma cor alaranjada, com espuma densa e duradoura. No aroma notas cítricas, e o é sabor frutado. A cerveja ainda é refermentada na garrafa, ou seja, com o tempo de guarda tende a melhorar mais ainda.
No Ratebeer conseguiu a nota 94 nas avaliações gerais, e nota 96 dentro do seu estilo: Tripel.

tupiniquim-polimango#08 – Tupiniquim Polimango – A 8ª posição da lista é uma cerveja artesanal feita em colaboração com a cervejaria sueca Omnipollo. Uma Imperial IPA com farinha de polenta e diversos lúpulos cítricos, como Columbus, Centennial e Mosaic. Sua coloração é dourada e a espuma é branca e persistente. No aroma, um delicioso lúpulo, clássico do estilo, junto de um sabor igualmente amargo. Seu teor alcoólico é de 8%, que apesar de forte, se encaixa perfeitamente. Conseguiu a nota geral 94 no Ratebeer e nota 72 dentro do estilo. Já foi vencedora de 2 medalhas de prata e 1 de ouro em festivais brasileiros de cerveja.

way-sour-me-not-caju#07 – Way Sour Me Not Caju – A melhor e mais bem avaliada da linha Sour Me Not da Way, que busca atingir o mercado norte americano com ingredientes tipicamente brasileiros. Nesta, a Way Beer resolveu adicionar o Caju, que fermentou junto com outros ingredientes, trazendo a acidez clássica das cervejas Sour, que está ainda mais presente nesta. Seu teor alcoólico é de 3,5%. Aparece na 7ª posição da nossa lista, conseguindo uma avaliação geral de 95 no Ratebeer, e nota 90 dentro do seu estilo.

tupiniquim-monjolo-floresta-negra#06 – Tupiniquim Monjolo Floresta Negra – Edição especial da Monjolo, outra cerveja muito bem avaliada da Tupiniquim, esta Monjolo Floresta Negra é uma imperial porter igual sua irmã, mas desta vez com uma dose extra de cacau, favas de baunilha e muita framboesa. O resultado é uma espécie de Imperial IPA/Fruit Beer que lembra muito a sobremesa floresta negra. Foi medalha de ouro na South Beer Cup 2015 e medalha de prata Festival Brasileiro da Cerveja 2015. No ranking do Ratebeer, conseguiu nota 95 na avaliação geral e 99 dentro do seu estilo. Seu teor alcoólico é de 10%.

dum-petroleum#05 – DUM Petroleum – Uma cerveja que assim como o nome diz, é negra como o petróleo. A Dum Petroleum surgiu de uma experiência dos caras da Dum, de trazer Imperial Stouts que antes só apareciam em livros. Nas primeiras experiências, a quantidade de malte foi tanta, que foram necessárias 24 horas para a primeira brasagem. O resultado foi uma cerveja com amargor pronunciado e aromas de café, chocolate meio amargo e malte. Já ganhou um ouro no Concurso Brasileiro da Cerveja 2016 e uma prata no Concurso Brasileiro da Cerveja 2014. Sua nota geral no Ratebeer é de 96, e nota 59 dentro do estilo. Seu teor alcoólico é de 12%.

bodebrown-perigosa-imperial-ipa#04 – Bodebrown Perigosa – Também conhecida nos bares como “A Venenosa”, a Bodebrown perigosa é uma Imperial IPA com 9,1% de teor alcoólico. Feita em parceria com a Homebrewers, esta cerveja possui uma coloração cobre, e espuma bege e volumosa. No aroma, grapefruit, limão siciliano, mel e caramelo, e no sabor o perfeito equilíbrio de malte, caramelo e lúpulo. Uma cerveja de boa drinkability que se torna um verdadeiro elixir para os lupulomaníacos. No Ratebeer conseguiu a avaliação geral de 97, e nota 88 dentro do estilo.

invicta-1000ibu#03 – Invicta 1000 IBU – Um verdadeiro soco de amargor bem no meio da cara. A Invicta 1000 IBU, assim como o nome diz, possui 1000 IBUs, que é a unidade usada para mensurar o grau de amargor de uma cerveja. Diz-se que o paladar humano não consegue detectar algo muito longe dos 100 IBUs, então a Invicta resolveu ir mais longe ainda e trazer uma cerveja tão amarga, que o corpo humano nem é capaz de detectar. Por que isso? Provocar curiosidade e discussão. Então dessa cerveja, espere muito amargor bem inseridos nos seus 8% de teor alcoólico. Conseguiu nota 97 geral no Ratebeer, e nota 91 dentro do estilo. Ostenta a 3ª posição em nosso ranking.

evil-twin-metro-man#02 – Evil Twin Metro Man – Um cerveja colaborativa entre a brasileira Tupiniquim e a dinamarquesa Evil Twin, está cerveja é a vice-campeã da nossa lista. De coloração negra, com espuma de boa formação e média persistência, seu aroma lembra muito café, chocolate amargo e caramelo. O que se pode perceber em bastante evidência também no sabor. Seu teor alcoólico é de 10,7%. Conseguiu a nota 98 no Ratebeer, e nota 71 dentro do estilo.

tupiniquim-monjolo-imperial-porter#01 – Tupiniquim Monjolo Imperial PorterRemetendo aos tempos da colonização do Brasil, esta Tupiniquim foi inspirado no nome Monjolo, que era um artefato antigo utilizado para socar grãos. Nesta Monjolo Imperial Porter, a Tupiniquim inovou e apareceu com uma bela cerveja de líquido viscoso e bastante negro, com o clássico aroma do estilo: torrefação e café. No sabor, um começo bem torrado, com café, cinzas e notas de toffe, chocolate e baunilha. E uma porter potente, que apesar dos seus 10,5% de álcool, é uma cerveja muito bem equilibrada. A nota no Ratebeer ficou em 98, com nota 89 dentro do estilo. É a grande campeã da nossa lista!

E aí, já tomou alguma dessas? Conta pra gente!

Deixe uma resposta