Conheça a Cervejaria Hardbop

05/04/2018 - Entrevistas, Notícias

760 visualizações

Conheça a Cervejaria Hardbop

Andre Santini
Comunicador Social, viciado em Double IPA e Imperial Stout e tem como lema de vida "Time" do Pink Floyd.

Caros leitores!

Hoje gostaria de apresentar uma cervejaria catarinense que foi um dos destaques no Festival Brasileiro da Cerveja, a Hardbop. Fundada em 2015 por três sócios, a cervejaria tem ganhado um destaque bacana no cenário cervejeiro de Santa Catarina. Abaixo segue uma entrevista que fizemos com Rodrigo Boscainii, um dos sócios da cervejaria.

Cerveja de Todos os Jeitos: Rodrigo, gostaria que vocês nos contassem um pouco da história da Hardbop e qual a razão da existência dela.

Rodrigo: A Hardbop surgiu da paixão de três amigos pela cerveja artesanal, que vinha desde 2009, quando eu e meu irmão, Fabiano Boscaini, iniciamos as primeiras produções. Mas foi só em 2015 quando juntamos com um terceiro amigo, Anderson Morales, também aficionado por cerveja artesanal que veio a ideia de ampliar o negócio, e iniciar a Hardbop.
O nome Hardbop veio da música, outra paixão em comum entre nós três, representa o que é a cerveja, estilo de Jazz mais direto, fácil de dialogar com o público, que lembra a proposta da cerveja, a bebida mais popular do mundo. Mas assim como o estilo musical, que não esquece suas raízes, que conta com criatividade e virtuosismo dos músicos, trazendo cada um suas características individuais, abrilhantando a música. Aqui sendo traduzida para as peculiaridades dos cervejeiros, nossos gostos e nossas raízes na cerveja artesanal de qualidade.

Cerveja de Todos os Jeitos: Além da Imperial Stout, que estava excelente durante o Festival Brasileiro, quais outros rótulos estão disponíveis no mercado?
Rodrigo: Mais uma vez obrigado pela visita em nosso estande. No festival estávamos com 7 cervejas na bica, as experimentais:

  • Malbec Wood Aged American Barley Wine,
  • Maple Wood Aged Russian Imperian Stout,
  • Mint Imperial Porter e
  • Catharina Sour, um mix de frutas. Neste caso usamos Pêssego, Maracujá e Manga.

Das nossas cervejas de linha atualmente temos:

  • Jam American IPA,
  • Milestone APA,
  • Diabolus in Musica Belgian Blond Ale
  • Blue Note Dunkel, que recebeu medalha de Prata no estilo Dark Lager nesse ano.

Além dessas ainda temos a Strato Premium Lager e a Catharina Sour.

 

 

Cerveja de Todos os Jeitos: Atualmente o modelo de negócio de vocês é cigano ou possuem estrutura própria. Qual a razão desta escolha?
Rodrigo: Hoje somos ciganos. Escolhemos ir por esse caminho por sem um modelo mais simples para iniciar. Sem um grande custo fixo de uma fábrica, focamos os recursos em capital de giro, desenvolvimento da marca, de produtos, e também em equipamentos, como câmara fria, barris, chopeiras, etc.

Cerveja de Todos os Jeitos: Como é o processo de criação das receitas experimentais? Rola alguma discussão sobre o estilo ou vão fazendo brainstorm até chegarem num denominador comum?
Rodrigo: É um pouco como na música, um de nós chega com uma inspiração rabiscada, e vamos lapidando até ela se tornar algo empolgante e que agrade a todos. O Fabiano é um dos nossos grandes “compositores”, ele trouxe a ideia da nova IPA, onde ajustamos e ficou no ponto que todos adoramos, também veio dele a ideia de pôr 3 frutas na nossa sour, e a madeira de Maple na Imperial Stout, na qual as receitas foram ajustadas a seis mãos. Esses dias fiz uma Oyster Stout, mas o pessoal não gostou muito da ideia, apesar de ser deliciosa (risos).

Cerveja de Todos os Jeitos: Existem um grande movimento em Santa Catarina ao redor das cervejas “Catharina”. A Hardbop possui algumas, quais são e onde podemos encontrá-las?
Rodrigo: O estilo Catharina Sour surgiu de necessidade de se padronizar as cervejas ácidas com frutas que estavam sendo produzidas na região e até em outras partes do país. O estilo foi muito bem estudado e categorizado por cervejeiros próximos, onde conseguiram se inspirar e criar algo novo, que pode vir a ser o primeiro estilo brasileiro de cerveja. Quando se fala em Catharina Sour, já se sabe o que esperar, uma cerveja levemente ácida, com sabor e aroma intenso das frutas adicionadas, corpo baixo, sem ésteres de fermentação, seca, carbonatação alta e muito refrescante. Está dando tão certo que até fora do Brasil já existem cervejas do estilo, e no festival Brasileiro, ficou entre os 10 estilos (de um total de 148) que mais inscreveram amostras, na frente por exemplo de Irish Red Ale, e outros tantos estilos clássicos.
A Hardbop também apostou nessa ideia e criamos nossa Catharina Sour com mix das frutas pêssego, maracujá e manga. Uma cerveja muito refrescante e saborosa, hoje, como ainda é um pré-lançamento, só existe em Barril, sendo servida em alguns bares parceiros da região, como o BierVilla em Blumenau, EHB em Jaraguá do Sul, Buteco do Fogão em Guaramirim e The Old McGallagher em Joinville.

Cerveja de Todos os Jeitos: Por fim, quais são os planos e as novidades para 2018?
Rodrigo: Pensando nas estratégias da empresa, em 2018 queremos chegar no eixo Rio e SP e estamos buscando parceiros para isso.
Para produtos, temos a intenção de viabilizar a Maple RIS em garrafas, lançar toda nossa linha de cervejas atuais em garrafas de 500ml e mais algumas novidades que estamos “compondo” para o público dos maltes torrados (não, não vai sair a Oyster Stout, (risos)).

Desejamos todo sucesso para a Hardbop!

Saúde!

  • Santa Catarina e a Alemanha tem muitas coisas em comum, a cerveja é só mais uma delas. Enquanto o Brasil tem a maior cervejaria do mundo, a Alemanha possui centenas de marcas de cerveja artesanal.

Deixe uma resposta