Homebrewing #1 – Equipamentos para fazer cerveja

04/03/2018 - Homebrewing

1.653 visualizações

Homebrewing #1 – Equipamentos para fazer cerveja

Henrique Cruz
Sommelier de Cervejas; Professor e Consultor; Cervejeiro Caseiro; Juiz BJCP;

Cervejeiros e cervejeiras, assumindo o compromisso de ser um colunista nesta revista, vamos tratar sobre a Produção de Cerveja Caseira. Eu, Henrique Cruz, sou cervejeiro caseiro há mais de 3 anos, juiz BJCP rank Certified, Sommelier de Cervejas, Professor e Coordenador dos cursos na área de Cerveja, na Universidade Positivo e proprietário da marca Hump Beer, estarei nas próximas edições abordando os tópicos mais importantes do processo, bem como respondendo as dúvidas pontuais que vierem via e-mail ou que chegarem até mim pelo Clube do Malte.

Portanto, se tiver alguma dúvida pontual, ou precisar de alguma ajuda, fique a vontade para contatar a equipe do Clube do Malte, pelo e-mail blog@clubedomalte.com.br, para que as suas dúvidas sejam respondidas.

Equipamentos para fazer cerveja

Antes de passarmos para os processos é importante abordar o tópico equipamentos para fazer cerveja. Pois, se não estiver preparado para investir ou não tem a menor ideia do que vai precisar para produzir sua cerveja, não adianta estudar as formas de fazer cerveja em casa.

Existem diferentes sistemas e equipamentos para fazer cerveja, dentre estes os dois mais conhecidos são: para produzir com extrato ou 100% grão.

SISTEMA COM EXTRATO

Extrato de malte já lupulado: é a forma mais rápida e fácil de fazer, apenas precisa diluir na quantidade de água necessária indicada na receita (atente que esta água deve ser previamente fervida para evitar possíveis contaminantes). Uma vez feita a diluição é só colocar para fermentar. Os gastos com equipamentos são mínimos, podendo ser feito em uma panela grande e utilizando um galão de água como fermentador.

Extrato de malte sem lúpulo: neste caso você precisa diluir o extrato na água e ferver por 1 hora, fazendo a adição dos lúpulos normalmente como indicado na sua receita. A vantagem aqui é que você consegue ter uma cerveja de perfil próprio, com lupulagem a sua escolha, o que torna mais interessante, porém o trabalho é um pouco maior. O gasto com equipamento continua sendo mínimo, são os mesmos utilizados no item anterior, para fabricação com extrato de malte já lupulado.

SISTEMA 100% GRÃOS

100% grãos: Aqui precisamos detalhar qual tipo de equipamento estamos pensando em usar, esta é sem dúvida a técnica mais utilizada hoje no Brasil, porque te dá liberdade de criação, porém o trabalho e o investimento são maiores do que nos processos com Extratos.

Temos a opção de utilizar os seguintes equipamentos:

Várias panelas

Duas, três ou mais panelas, podendo ser o sistema a gás ou elétrico. Aqui devemos pensar qual o mais vantajoso e que se adapta melhor a nossa necessidade. Várias pessoas moram em prédios onde não é permitido utilizar um botijão de gás externo no apartamento, por isso o sistema elétrico é a única opção. Alguns que moram mais afastados, em chácaras ou fazendas, e tem constantes falhas/quedas de luz, devem optar pelo gás, assim a garantia da produção é certa.

O sistema elétrico ainda facilita na questão de evolução para um circuito fechado de controle, com a utilização de termómetros para controlar automaticamente as rampas de temperatura. Já no sistema a gás é bem mais complicado fazer essa adaptação. A vantagem do gás é que com os queimadores de alta potência, as etapas de fervura e mostura são mais rápidas e vigorosas.

Single Vessel

Panela única (Single Vessel e Brewing in a bag), normalmente são equipamentos mais caros, elétricos e você pode encontrar diversos fornecedores vendendo pronto por ai. A vantagem é que ocupa menos espaço e com os controladores de temperatura para controlar a resistência, você tem muito menos trabalho durante a brassagem, porém são mais caros e menos “artesanais”. Brewing in a bag é a mesma coisa, porém o conceito do equipamento muda um pouco. A diferença é que você pode utilizar uma espécie de rede, malha ou saco para colocar todos os grãos dentro, uma vez feito o processo de mostura, você retira esse saco com o grão dentro e utiliza a mesma panela para continuar o processo. Tanto faz se é com gás ou elétrica, a dificuldade aqui é a sujeira que esse método causa, também a eficiência do equipamento que tem menor rendimento em relação ao tamanho das produções e os cuidados para não se queimar.

 

 

 

 

 

 

No post seguinte você confere tudo sobre como estabilizar a água para a produção de cerveja.

 

Deixe uma resposta