Grisette: um dos mais antigos estilo volta à cena cervejeira

18/05/2017 - Estilos de Cerveja, Notícias

2.773 visualizações

Grisette: um dos mais antigos estilo volta à cena cervejeira

Ana Paula Komar
Jornalista, apaixonada por história, curiosa por culturas e apreciadora de boas cervejas!

Você já conhece o estilo de cerveja Grisette? Muito provavelmente você conheça a cerveja com o nome Grisette, a qual é fabricada pela cervejaria Brasserie St-Feuillien e comercializada em alguns estilos distintos, como a Grisette Witbier ou a Grisette Blonde . Mas não é sobre ela que queremos falar. Hoje queremos apresentar a você o estilo de cerveja Grisette, um dos mais antigos estilo de cerveja que volta à cena cervejeira.

Apesar de pouco conhecido no Brasil e hoje pouco produzido mundo a fora, o estilo de cerveja Grisette possui grande valor histórico. Mesmo sem muitos registros sobre esse estilo sabe-se que essa ale belga surgiu no início do século XX como uma cerveja fabricada para matar a sede de mineiros, que trabalhavam com escavação em minas de pedras cinzentas no sul da Bélgica, na província de Hainaut.

Conta a história que à medida que a província de Hainaut começou a mudar de produção agricultura para uma região de mineração de carvão e pedra, no final dos anos 1800, os cervejeiros locais passaram a comercializar uma cerveja para a crescente população de mineiros. Grisette foi então considerada a cervejas dos trabalhadores da mineração, assim como Saison foi a cerveja dos agricultores.

Como características básicas as cervejas do estilo Gristte possuem teor alcoólico que varia de 3,5 a 5,0 ABV, baixos amargores, são produzidas também com malte de trigo, pouco filtradas, claras e refrescantes. São cervejas que surgiram para matar a sede e espantar as cinzas de um dia duro de trabalho.

A dinamarquesa To Øl Fuck Art The Heathens Are Coming é um exemplar rústico! Mais leve que uma saison, a versão da To Øl leva malte de centeio no lugar do trigo e lúpulo Simcoe e Galena. Essa cerveja apresenta notas de especiarias, com toques doces do    centeio que se equilibram com as variedades dos lúpulos frutados.

No Brasil a cervejaria Bodebown também lançou sua versão do estilo Grisette. A Biére de Table Limoeiro é fruto de uma colaboração entre o mestre cervejeiro Samuel Cavalcanti com Vania Krekniski do restaurante Limoeiro, para o projeto da cervejaria Bodebrown que explora receitas de chefs apaixonados pelo que fazem. Essa versão do estilo Grisette possui graduação alcoólica de 6,1% e leva na receita trigo sarraceno, uvas brancas da Serra Gaúcha e o lúpulo alemão Halertay Blanc.

Novas cervejas Fucking Beer do estilo Grisette

Se você nunca tomou e quer conhecer esse estilo, o Beer Pack traz para o copo de todos os seus assinantes as novas cervejas da Fucking Beer, a Fucking Beer Relax com Pêssego e a  Fucking Beer Relax com Carvalho Americano, ambas do estilo Grisette.

As receitas para a produção dessas cervejas foram resgatadas de épocas longínquas que datam de 1812, 1870 e 1950, com diferentes versões. São com teor alcoólico de 3,9%, baixo amargor, pouco filtradas e coloração dourada . As duas possuem a mesma receita base, porém se diferenciam pelo ingrediente adicional que irá fazer toda a diferença no resultado final da cerveja. A Relax com chips de Caravalho Americano, é uma opção de cerveja refrescante com a madeira arredondando o paladar. Já a Relax com pêssegos, que é adicionado junto a fermentação, transforma a cerveja em uma fruit beer com características únicas.

Gostou? Então não deixe de conhecer esse estilo milenar que está voltando a cena cervejeira!

Beer Pack 4 Cervejas e 1 Copo (Assinatura)

No mês de junho o Beer Pack irá levar até a sua casa das tradicionais as mais inovadoras cervejas de trigo.

de R$ 95,88
por R$

84,90

Comprar

* Ao clicar em comprar você será redirecionado para a página do produto em nossa loja.

 

 

 

  • O universo da cerveja é espetacular.
    As possibilidades de combinações são infinitas.
    Já não haverá possibilidade de classificação delas em BJCP’s da vida no futuro, dada a tamanha diversificação que ocorrerá. As novas combinações de sabores e estilos que sairão das mentes fantásticas desses “alquimistas” nos levarão a um patamar nunca antes imaginado.
    Mas penso que MILENAR não é um adjetivo para uma cerveja que no texto diz ter sido produzida de 1800 pra cá…..o que não tira em nada o valor da excelente matéria.

    • Olá Vadis, é isso mesmo, o universo cervejeiro é muito vasto e o que queremos mesmo é ver cada vez mais combinações que impressionem no nosso paladar. Agradeço pelo Feedback, quanto ao “milenar” valeu pela dica, já arrumamos no texto!
      Obrigada!!

Deixe uma resposta