Cinema: O Expressionismo Alemão

08/06/2018 - Prazeres Correlatos

199 visualizações

Cinema: O Expressionismo Alemão

Lucas Pilatti

O cinema, assim como todas as artes, possui movimentos e gêneros. Muitas dessas divisões foram (e ainda são) bastante impactadas pelo contexto histórico em que estão inseridas e, um dos primeiros e principais períodos cinematográficos ficou imortalizado como “Expressionismo Alemão”. Este, mais do que qualquer um, foi extremamente influenciado pelo momento histórico e político em que seu país de origem – a Alemanha – se encontrava, afinal, estamos falando do final da Primeira Guerra Mundial.

 

Na linha do tempo, nos encontramos em 1920. O cinema ainda é mudo e um dos principais elementos dos filmes expressionistas alemães é a dramaticidade das cenas: os cenários são sombrios e possuem uma arquitetura bastante surreal, com alto uso de sombras para dar uma certa melancolia. Tudo isso resultando em excepcionais obras de arte, verdadeiros clássicos.

Um dos motivos do uso dessas técnicas que deixavam um clima obscuro nos filmes era mostrar como a Alemanha estava com a derrota na Primeira Guerra Mundial: apática e esmaecida. Era como um retrato do sofrimento e do terror.

>>> Cerveja e cinema – Uma combinação artística, confira! <<<

Entre os principais realizadores do Expressionismo Alemão estão Robert Wiene, com O Gabinete do Dr. Caligari (1920), Friedrich Murnau com os eternos clássicos Nosferatu (1922), Fantasma (1922) e Fausto (1926) e Fritz Lang, com seu futurista Metrópolis (1927) e M, O Vampiro de Dusseldorf (1931).

Vale lembrar aos interessados que o chamado “Expressionismo” passou por outras artes antes de chegar ao cinema. Na pintura temos um exemplar extremamente marcante com Edvard Munch e sua obra “O grito”, de 1893. Já na literatura podemos perceber traços expressionistas em obras de Franz Kafka, como em “A Metamorfose” de 1915.

 

O nazismo, infelizmente, deu fim às obras Expressionistas juntamente com o movimento cinematográfico. Pois, para eles, era uma arte decadente, que mostrava um país fraco e sem postura, ou seja, essas obras estariam denegrindo a imagem imponente da Alemanha. Para o azar dessas pessoas, os filmes e pinturas continuam vivos até hoje e a cada dia ganham mais valor e prestígio.

 

Se interessou pelo movimento? Separa aquela cerveja gelada e boa sessão.

>>>Canto dos Clássicos <<<

cinema

 

Deixe uma resposta